29

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS 29
Cenário da reforma de pneus no Brasil
A reforma de pneus
• É a reposição da banda de rodagem do pneu, desgastada pelo uso;
• É uma prática mundial que teve sua origem como forma de evitar o desperdício;
• Emprega apenas 20% do material utilizado na produção de um pneu novo, proporcionando a mesma durabilidade original;
• As carcaças dos pneus são projetadas para suportar sobrevidas;
• A reforma de pneus é um forte argumento de venda do pneu novo.
 
A reforma de pneus no Brasil
• O Brasil é o 2º mercado mundial, o dos EUA é o primeiro;
• Nível técnico de padrão internacional;
• Baixos índices de problemas com qualidade;
• É uma atividade com mais de 60 anos de tradição;
• 1.257 empresas geram serviços, totalizando cerca de 5.000 micro e pequenas empresas agregadas;
• A maioria é de pequeno porte;
• São prestadoras de serviço.
 
A reforma de pneus e o transporte
Todo setor de transporte utiliza pneus reformados:
• O pneu reformado é o segundo ou o terceiro custo no transporte utilizando pneus comerciais (carga);
• O pneu reformado possui rendimento quilométrico
semelhante ao novo, com custo 73% menor ao consumidor;
• Reforma-se em média duas vezes gerando três vidas para carcaça;
• Proporciona redução de 57% no custo/km;
• Maximização do retorno sobre o investimento em pneus.
 
A reforma de pneus e a economia
Próximo de dois terços dos pneus de caminhão/ônibus em uso são reformados:
• A reforma de pneus repõe no mercado mais de 8 milhões de pneus da linha caminhão/ônibus por ano enquanto a indústria de pneus novos repõe 6 milhões para o mesmo setor;
• Proporciona uma economia para o setor de transportes de 7 bilhões de reais/ano.
• Economia de 57 litros de petróleo por pneu reformado na linha caminhão/ônibus e 17 litros para a linha automóvel, gerando uma economia total de 500 milhões de litros/ano de petróleo, o que equivale a 600 milhões de reais/ano de economia com a reforma de pneus.
 

A reforma de pneus e a ecologia

Posterga a destinação final da carcaça reduzindo os impactos ambientais.
Não é uma atividade poluidora e seus resíduos sólidos são reciclados por outras atividades, sendo:
• Pneus convencionais = 20% em fornos de cimenteiras e 80% em solados, percintas etc;
• Pneus radiais = 80% fornos de cimenteiras e 20% solados, percintas etc;
• Resíduos de raspagem = agregados à mistura e à composição para artefatos emborrachados;
• Asfalto ecológico.
 
A reforma de pneus e o emprego
1) A atividade gera mais de 250.000 postos de trabalho:
• Unidades Reformadoras
• Vendedores
• Borracharias
• Fornecedores de matéria prima
2) Proporciona oportunidades a pessoas com menor formação escolar:
• A formação dos profissionais é feita na própria empresa, ou entidades subsidiadas pelo Estado, como por exemplo: Senai e entidades privadas.
3) Atende ao setor de transporte nas mais diversas localidades de todo o País.
 
Os números da reforma de pneus
1) Faturamento do setor: R$ 5 bilhões/ano
(Reforma de pneus, Matéria-prima e Equipamentos)
2) Empresas:
• 1.257 unidades reformadoras;
• 18 fabricantes e fornecedores de matéria-prima, sendo 13 nacionais e 5 multinacionais;
• 52 fabricantes de equipamentos para o setor.
3) Empregos Diretos:
• Unidades Reformadoras: 40.000 empregos;
• Fabricantes de Matéria-prima e equipamentos: 10.000 empregos.
4) Produção de pneus reformados em 2012:
• Caminhão e ônibus: 8,8 milhões de unidades;
• Automóvel: 7 milhões de unidades;
• Fora-de-estrada e Agrícola: 300 mil unidades;
• Aviões: número não fornecido.
 
LINHA CAMINHÃO / ÔNIBUS
 
Impactos na economia, empregos, transporte e ecologia
Hipótese: Redução ou fechamento da cadeia das unidades reformadoras no Brasil.
A) Arrecadação tributária
• PIS e COFINS = queda de arrecadação de R$ 300 milhões/ano;
• ICMS = queda de arrecadação de R$ 500 milhões/ano;
• ISS = queda de arrecadação de R$ 170 milhões/ano.
B) Emprego
• Fechamento de 250.000 postos de trabalho.
C) Transporte
• A falta de 2/3 da reposição de pneus reformados por ano com o fechamento da cadeia de reformadores, redundaria ao transporte rodoviário/urbano o caos e uma grande desordem no país, cuja demanda do modal logístico, representa 58% da carga transportada no país, segundo a NTC & Logística = Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística.
 
D) Ecologia
Petróleo
• Seria necessário produzir anualmente mais 8,4 milhões de pneus novos para substituir a mesma quantidade de pneus reformados por ano, o que demandaria um aumento de consumo de 500 milhões de litro de petróleo/ano;
• Não reformar pneus causaria um impacto exacerbado no meio ambiente, aumentando drasticamente o passivo ambiental.
 
A reforma de pneus no exterior
• A reforma de pneus é adotada por todos os países, principalmente os de primeiro mundo, Necessidade intrínseca à economia do país, de petróleo e meio ambiente;
• Na Comunidade Europeia e no Japão, a reforma de pneus é considerada “indústria verde” e conta com incentivos para sua instalação e um grande estímulo à indústria de reciclagem, e faz parte da estatística de reciclagem nestes países.
 

A reforma de pneus e a regulamentação no Brasil

Registro no Inmetro
• Setor regulamentado pela Portaria 444 de 19 de novembro de 2010, regulamenta o segmento de reforma de pneus, no quesito segurança para a linha automóvel e comercial (caminhão/ ônibus) com a sua adequação expirada em 19 de novembro de 2012, com fiscalização pelo  IPEM (Instituto de Pesos e Medidas).
 
 
Associe-se